Congresso Internacional
Repensar Portugal, a Europa e a Globalização
100 Anos | Padre Manuel Antunes, sj

 

 2, 3, 4, 5 e 6 de novembro de 2018

Assembleia da República | Casa da Cultura da Sertã | Fundação Calouste Gulbenkian

O congresso será creditado como ação de formação para professores.

O Padre Manuel Antunes, sj (1918-1985), é considerado um dos pensadores e pedagogos mais notáveis do século XX português. Ensinou várias gerações de estudantes, cerca de 15 mil, que frequentaram as disciplinas que lecionou na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, desde 1957 até à sua morte, em 1985. Como confirmam os testemunhos que chegaram até nós, Manuel Antunes é uma referência enquanto pedagogo e enquanto hermeneuta arguto e prospetivo da cultura e das sociedades clássicas e contemporâneas. Ainda hoje, é lembrado com saudade e como um modelo de pensamento e de sabedoria por aqueles que foram seus alunos e pelos que tiveram o privilégio de com ele privar.

Destacou-se também como diretor da Revista Brotéria, publicação da Companhia de Jesus, onde escreveu centenas de artigos, usando 126 pseudónimos, sobre os mais diversos temas de cultura histórica, religiosa e filosófica, assim como de atualidade política, social e literária. Os seus textos, ainda hoje muito lidos e citados, deram origem a diversos livros, tornados numa espécie de chave de leitura de aspetos relevantes do mundo contemporâneo, de entre os quais podem lembrar-se Indicadores de Civilização e Repensar Portugal.

O Padre Manuel Antunes legou-nos um pensamento muito sagaz e avançado sobre Portugal e a Europa, na relação com o mundo em processo de globalização. A reflexão antunesiana está patente num número significativo de textos, alguns deles com caráter prospetivo, que ainda hoje podem ser lidos com grande proveito, pois mantêm uma significativa atualidade. Aliás, Manuel Antunes soube antecipar, nos anos 60 e 70 do século XX, com uma argúcia e lucidez extraordinárias, derivas, problemas e desfechos da vida portuguesa e internacional. Hoje, surpreendem-nos questões, reflexões e propostas que bem podem ajudar na urgência de repensar Portugal, a Europa e o nosso mundo atual, marcado por uma tremenda incerteza.

Depois de realizado um primeiro Congresso, em 2005, sobre a vida e a obra do Padre Manuel Antunes, na Fundação Calouste Gulbenkian e no Centro Cultural da Sertã, e concluída a preparação da sua Obra Completa, publicada pela Fundação Calouste Gulbenkian, em 2012, é, com efeito, de toda a pertinência assinalar os 100 anos do nascimento desta figura maior do pensamento avançado em Portugal com um evento científico internacional, para, tendo como referência os grandes tópicos da reflexão antunesiana, pensar os grandes temas e problemas do nosso país, em articulação com as grandes questões da Europa e do mundo globalizado em que vivemos.

 

Objetivos

 

  • Aprofundar o conhecimento da vida e do magistério pedagógico, intelectual e espiritual do Padre Manuel Antunes;
  • Revisitar, conhecer e compreender os grandes temas e problemas da obra do Padre Manuel Antunes;
  • Situar a obra e o pensamento de Manuel Antunes na Companhia de Jesus e no quadro da sua herança espiritual, cultural e científica, no qual a Revista Brotéria se tornou uma referência em Portugal;
  • Analisar os discursos em torno da identidade portuguesa, tendo por referência os textos antunesianos escritos sobre Portugal, a sua história, as derivas presentes e os desafios futuros;
  • Analisar temas e problemas da cultura política em Portugal na perspetiva dos diagnósticos e caminhos apontados pelo Padre Manuel Antunes;
  • Pensar a educação em Portugal e os desafios que a integração europeia e a globalização colocam, no quadro do esforço de adequação de conteúdos e de métodos, aos desafios da mentalidade e das sociedade tecnológicas hodiernas;
  • Refletir sobre os grandes temas e problemas que se colocam em pleno século XXI a Portugal e à Europa, no contexto de um globalização acelerada;
  • Contribuir para  pensar o mundo, a vida e os anseios psicológicos, mentais e espirituais da humanidade nos nossos dias, desafiada pelo cuidado da natureza, pela necessidade de lidar com os progressos tecno-científicos e pela emergência das sociedades digitais, nas quais a hiperinformação se tornou um capital decisivo;
  • Pensar o processo de robotização do mundo e da emergência da dita era do pós-humano;
  • Contribuir com reflexão crítica, no quadro dos Estudos Globais, para compreender o mundo globalizado em que vivemos e intervir com perguntas e respostas inovadoras.
Comissão Científica
  • Guilherme d’Oliveira Martins (Presidente)
  • Adérito Marcos
  • Adriana Veríssimo Serrão
  • Aires do Nascimento
  • Annabela Rita
  • António J. Trigueiros
  • António Vaz Pinto
  • António Ventura
  • Artur Morão
  • Béata Cieszynska
  • Carlos Cabecinhas
  • Carlos Fiolhais
  • Dionísio Vila Maior
  • Edgard Leite F. Neto
  • Fabrice d’Almeida
  • Henrique Leitão
  • Henrique Manuel Pereira
  • Hermínio Rico
  • Ilda Mendes
  • João Duque
  • João Relvão Caetano
  • Joaquim Cerqueira Gonçalves
  • Jorge Cotovio
  • José Bidarra
  • José Carlos Seabra Pereira
  • José Paulo Leite Abreu
  • José Pedro Serra
  • Leonel Ribeiro dos Santos
  • Leonor Xavier
  • Luís Filipe Barreto
  • Luís Machado de Abreu
  • Luiz Eduardo Oliveira
  • Manuel Ferreira Patrício
  • Manuel José do Carmo Ferreira
  • Maria Beatriz Rocha Trindade
  • Marília Pulquério Futre Pinheiro
  • Mendo Castro Henriques
  • Miguel Real
  • Natália Ramos
  • Onésimo Teotónio de Almeida
  • Paulo de Assunção
  • Pedro Calafate
  • Pierre Antoine Fabre
  • Viriato Soromenho-Marques
  • Vitalina Leal de Matos
  • Vítor Serrão

 

[1] Alguns nomes ainda estão sujeitos a confirmação.